segunda-feira, 22 de março de 2010

"Pra você guardei o amor que nunca soube dar..." (Nando Reis)

Depois dessa breve pausa, voltei. E ao som de Nando Reis. Poderia ser melhor? (rsrsrs) A frase-título deste post é um verso da linda música "Pra você guardei o amor", que toca meu coração profundamente. Fico completamente emocionada com essa canção, porque me faz lembrar do meu marido. Deus foi tão maravilhoso com a gente que nos uniu ainda na faculdade. Poderia estar até hoje beijando a solidão ou sofrendo por um amor platônico, mas não. Para a minha felicidade, há cinco anos conheci o grande amor da minha vida. Meu parceiro. Meu amigo de todas as horas. Meu cúmplice. Meu protetor. 

E essa música me deixa emotiva e, ao mesmo tempo, orgulhosa por ter tido discernimento e maturidade para aceitar o amor aos 21 anos. Fico orgulhosa de mim mesma, porque, muitas vezes, vamos assimilando experiências alheias e, com isso, reproduzimos discursos circulantes de que o casamento é uma "instituição falida" ou que morar na mesma casa é sinônimo de rotina e fracasso. De todas as escolhas que fiz nesta vida, tenho plena convicção de que casar com Thi foi a mais acertada. Não poderia ter marido melhor. Ele entende meus "fefes" (mau-humor) e até me ajuda a dissipá-los; me liga várias vezes ao dia e em todas diz "eu te amo"; faz as minhas vontades sem me jogar nada na cara; me aceita do jeito que sou; consegue manter aquilo que acordamos não para a sociedade,nem para o juiz, nem tampouco para a igreja, mas para os nossos corações com as palavras que trocamos desde 13 de março de 2005. Isso tudo é um bálsamo para a minha vida.

Claro que no começo foi difícil, porque a dúvida juvenil parece martelar as nossas cabeças e cria barreiras a todo tempo: a distância dos amigos, os relacionamento antigos, a incerteza dos sentimentos, a falta de maturidade, a abdicação pelo outro, enfim... Mas o que importa, de fato, é se permitir. Não precisa ser um amor avassalador que lhe faça ter dor de barriga, sentir arrepios ou insônia para você dar vazão à felicidade. Não precisamos rotular o amor para que ele aconteça. Precisamos apenas senti-lo e pararmos de nos sabotar.

Espero que todos vocês encontrem um amorzão logo e nada de rejeitá-lo ou engessá-lo, hein? Muitas vezes, nós mesmos desconstruimos uma possível história de amor. Então, se você puder escolher viver um grande amor, mesmo que a dúvida se manifeste, não hesite. Vale muito a pena.

Pra você guardei o amor
Nando Reis

Pra você guardei o amor

Que nunca soube dar
O amor que tive e vi sem me deixar
Sentir sem conseguir provar
Sem entregar
E repartir


Pra você guardei o amor
Que sempre quis mostrar
O amor que vive em mim vem visitar
Sorrir, vem colorir solar
Vem esquentar
E permitir


Quem acolher o que ele tem e traz
Quem entender o que ele diz
No giz do gesto o jeito pronto
Do piscar dos cílios
Que o convite do silêncio
Exibe em cada olhar


Guardei
Sem ter porque
Nem por razão
Ou coisa outra qualquer
Além de não saber como fazer
Pra ter um jeito meu de me mostrar


Achei
Vendo em você
E explicação
Nenhuma isso requer
Se o coração bater forte e arder
No fogo o gelo vai queimar


Pra você guardei o amor
Que aprendi vem dos meus pais
O amor que tive e recebi
E hoje posso dar livre e feliz
Céu cheiro e ar na cor que arco-íris
Risca ao levitar


Vou nascer de novo
Lápis, edifício, tevere, ponte
Desenhar no seu quadril
Meus lábios beijam signos feito sinos
Trilho a infância, terço o berço
Do seu lar

2 comentários:

Thiago Monteiro disse...

Amor, que palavras mais lindas!! Fiquei completamente sem palavras e me apaixonei - novamente - por você pelas 1000 próximas vidas!!! TE AMOOOOOO e quem tem q agradecer por ter te conhecido sou eu. Vc é a minha felicidade!!! TE AMOOO

Adebora disse...

Adorei a postagem. Sempre visito seu blog, que conheci através do blog do meu eterno querido prof. Celso. Me identifico muito com o que escreve..... tem razão, amar é se permiti.